segunda-feira, 8 de novembro de 2010

INTERPRETAÇÃO BÍBLICA PASSO A PASSO – NOTA SOBRE CRÍTICA TEXTUAL

Para que não se pense que negligenciei esse passo exegético, vou fazer apenas algumas observações sobre ele justificar a não utilização do mesmo no método que estou propondo.

A Crítica Textual é um passo exegético em que comparamos as principais variantes que existem entre os antigos manuscritos bíblicos existentes. Sabemos que não existem originais dos textos bíblicos, mas cópias de séculos posteriores que hoje nos servem de base para a produção de nossas Bíblias; a questão é: qual dessas cópias é mais fiel ao original que se perdeu?

Por exemplo, vemos que para um determinado texto que estamos estudando existem diferentes manuscritos antigos, mas que apresentam pequenas variações. Empregamos critérios técnicos para escolher a versão que provavelmente mais se aproxima da original, e também podemos explicar os motivos para que os copistas deixaram que tais alterações se introduzissem no texto bíblico.

Como vemos, o trabalho é bastante técnico, exige conhecimento do grego ou hebraico e uma boa introdução ao “aparato crítico”, que é o instrumento que exibe ao exegeta as principais variações de cada palavra da Bíblia e quais manuscritos apresentam cada variante.

Acho que já está explicada a razão pela qual não emprego tal passo em meus cursos de exegese bíblica. Reservo tal passo às análises mais técnicas e profundas, conforme as exigências do meio acadêmico.

Um comentário:

m.brant disse...

Abençoado Anderson...
Ufa, que sinceridade na nota sobre crítica textual... AMEI.
Abraços,
brant